A movimentação nas estações do Move no hipercentro de Belo Horizonte foi intensa nas primeiras horas da reabertura do comércio. A partir desta quinta-feira (22), serviços considerados não essenciais voltam a funcionar na cidade, após mais de um mês de endurecimento nas regras. Lojas de roupas, bares, restaurantes, salões de beleza e academias podem abrir as portas.

Na região da avenida Paraná, no Centro da capital, muita gente disse que se arriscou nos ônibus cheios para ir ao trabalho. Segundo funcionários dos terminais, o número de pessoas circulando já é maior que o dos últimos dias.

A consultora financeira Suellen Fernanda de Souza, de 30 anos, lamenta a necessidade de pegar os coletivos lotados todos os dias para chegar no serviço. O medo dela é levar a doença para dentro de casa. "É muita gente. Na Estação Venda Nova fica cheio e não existe distanciamento social. Aqui (na Carijós) fica lotado à noite", afirmou.

Natália Nunes

Natália Nunes observou aumento no número de passageiros nos ônibus nesta quinta-feira

A doméstica Natália Nunes, de 40, também observou aumento no número de passageiros nos ônibus. "Na estação Pampulha estava mais cheio que o normal hoje", garantiu. Insegura com a situação da Covid-19, ela vê a necessidade de mais coletivos circulando para atender o público.

Mais linhas

A reabertura do comércio não essencial levou a BHTrans a criar oito linhas de ônibus que vão ligar os bairros diretamente ao Centro da capital, sem passar pelas estações de integração do Move. A ideia é reduzir a circulação de pessoas nas plataformas. A operação emergencial será realizada no horário de pico da manhã, das 4h às 7h50. De acordo com a empresa que gerencia o transporte e o trânsito na metrópole, serão 34 viagens diretas.

Reabertura

Na última segunda-feira (19), o prefeito Alexandre Kalil decretou nova flexibilização das atividades na metrópole. Assim, o comércio varejista, de construção, academias e salões de beleza foram autorizados a abrir as portas.

Além disso, bares e restaurantes poderão servir os clientes presencial, com venda de bebida alcoólica de 11h às 16h. O atendimento via delivery e retirada no local segue funcionando normalmente.

Leia mais:

Pauta de compensações: bares e restaurantes de BH se animam com retorno, mas cobram reparações

Donos de bares e restaurantes propõem abater impostos e taxas pelo tempo que ficaram parados