O presidente da BHTrans, Diogo Prosdocimi, prestou depoimento na manhã desta quarta-feira (15), referente à CPI que investiga possíveis fraudes em contratos das empresas de ônibus em 2008 e na auditoria feita em 2018. Ele foi ouvido por mais de duas horas em uma delegacia da Policia Civil na região Oeste de BH.

Após a oitiva, Prosdocimi afirmou à imprensa que todos os documentos disponíveis e requisitados serão apresentados à Justiça para apreciação. Ele comentou também sobre o sumiço de oito caixas com documentos referentes ao período de investigação. O material foi recuperado nesta semana e já está em posse da BHTrans. O presidente da empresa disse que os documentos recuperados também estarão à disposição dos membros da CPI, caso necessário. 

Em nota, a Polícia Civil afirmou que as investigações sobre o sumiço das caixas segue em sigilo. "Em momento oportuno, será realizada coletiva de imprensa, na qual novos esclarecimentos serão prestados", concluiu.

CPI
Instaurada neste ano, a CPI da BHTrans está em andamento da Câmara Municipal de BH, pautada pelas investigações do Ministério Público de Contas. Durante o processo, uma empresa foi contratada após licitação para auditar as contas da empresa, que também teve pedida a quebra de sigilo telefônico.

Em 13 de setembro, foi aprovado em 1º turno o Projeto de Lei que extingue a BHTrans e prevê a criação da Superintendência de Mobilidade do Município de Belo Horizonte (Sumob). Foram 37 votos favoráveis e três contra. 

A proposta pretende dar autonomia orçamentária, financeira, técnica, funcional, administrativa e poder de polícia para o novo órgão.

Leia mais:
Pessoas de 27 anos vacinadas com CoronaVac recebem segunda dose nesta quarta em BH
Motoristas de ônibus fretados protestam em BH contra projeto de lei que regula serviço em Minas