As crianças de 5 a 11 anos que moram em Belo Horizonte começam a ser vacinadas contra a Covid-19 neste sábado (15). Confira quem pode se imunizar e as principais informações sobre o funcionamento de pontos de vacinação.

Quem pode se vacinar?

Inicialmente, serão imunizadas as crianças que têm comorbidades, deficiência permanente, acamadas ou com mobilidade reduzida, além indígenas ou quilombolas. 

Quais documentos são necessários para comprovar a condição da criança?

Para garantir a vacinação dos pequenos, é necessário que os pais ou responsáveis estejam atentos à documentação da criança.

A Prefeitura de Belo Horizonte orienta que a comprovação dos requisitos para a vacinação, de acordo com a ordem de prioridade, pode ser feita por meio de laudos, declarações, prescrições médicas ou relatórios médicos com descritivo ou CID da doença ou condição de saúde (emitidos em até 12 meses antes da data do cadastro), assinado e carimbado, em versão original. 

Quais as comorbidades que estão incluídas na prioridade de vacinação?

O Ministério da Saúde disponibilizou uma lista com a descrição das comorbidades, que pode ser conferida neste link.

Quais documentos os pais ou responsáveis devem apresentar?

É necessário apresentar comprovante de endereço, documento de identificação com foto ou certidão de nascimento, CPF, e cartão de vacina.

Crianças que não possuem CPF também vão ser vacinadas?

Sim. Segundo a PBH, pais ou responsáveis podem apresentar o registro de nascimento, além dos outros documentos exigidos.

O Ministério da Saúde recomendou que a vacinação seja feita em sala separada para as crianças. Como vai funcionar em BH?

A Secretaria Municipal de Saúde informa que observará as diretrizes do Plano Nacional de Imunização, do Ministério da Saúde, e se necessário fará ajustes de acordo com as especificidades locais. Neste sábado, os 85 pontos de vacinação serão dedicados exclusivamente à vacinação de crianças contra a Covid.

Se pais ou responsáveis não puderem ir, outra pessoa pode substituí-los? 

Caso o acompanhamento seja feito por terceiros, haverá a necessidade de apresentar o termo de autorização de para vacinação, disponibilizado no portal da Prefeitura, devidamente preenchido e assinado pelos pais ou responsáveis.

A criança vacinada vai ter de ficar esperando no local de vacinação após ser imunizada?

Em dezembro de 2021, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou que, após a vacinação, as crianças permaneçam no local por pelo menos 20 minutos após a aplicação. Nesse breve período, elas podem ser observadas. Os profissionais de saúde, segundo a Anvisa, podem informar aos pais sobre possíveis efeitos adversos do imunizante, como dor, inchaço no local da aplicação e febre.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde da capital, neste sábado, nas unidades onde serão aplicadas as doses da vacina contra Covid-19, haverá um médico para acompanhar as crianças, verificar e atuar no caso de alguma intercorrência. Não serão realizadas consultas médicas.

Os pais ou responsáveis poderão atualizar o cartão de vacinação da criança, para que ela possa tomar doses de outros imunizantes que estejam faltando ou em atraso?

O cartão de vacina é um dos documentos exigidos para a aplicação da vacina contra a Covid. Mas, neste sábado, explica a PBH, serão aplicados exclusivamente os imunizantes contra o coronavírus. Os pais ou os responsáveis pela criança deverão retornar em outro dia para que ela seja imunizada de acordo com o calendário vacinal e para que seja feita a atualização de vacinas que estejam em atraso.

Quais os locais e horário de funcionamento para a vacinação?

Neste sábado (15), o horário de funcionamento dos locais de vacinação será das 8h às 14h.
De segunda a sexta-feira, as crianças poderão ser imunizadas das 8h às 17h para pontos fixos e extras, e das 8h às 16h30 para pontos de drive-thru. Os shoppings funcionam das 13h às 19h30. 

Os endereços dos centros de saúde podem ser verificados no portal da Prefeitura.

Leia também:
Menino de 10 anos é a primeira criança vacinada contra Covid-19 em Minas
Minas está em 4º lugar no país em número de mortes de crianças de 5 a 11 anos com Covid; são 21