Técnicos da Agência Nacional de Mineração (ANM) vistoriaram nesta terça-feira (26) sete barragens localizadas em Congonhas e Ouro Preto, na região Central de Minas, após o tremor de terra que atingiu as localidades na noite dessa segunda-feira (25). Nenhum dano foi constatado nas barragens que pertencem às empresas CSN e Vale, mas a ANM recomendou o monitoramento constante das estruturas e o repasse de relatórios para a agência. Outras duas barragens da CSN ainda serão vistoriadas.

Moradores de alguns bairros de Congonhas e região sentiram o tremor. De acordo com o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UNB), o epicentro do tremor aconteceu no território de Belo Vale, também na Região Central, às 20h27, e teve magnitude de 3.2.

Logo pela manhã, os fiscais estiveram em Congonhas nas barragens Casa de Pedra e B4, da empresa CSN Mineração, e analisaram todos os instrumentos medidores, como piezômetros, indicadores de níveis de água, drenos de fundo, cristas e ombreiras e, conforme os especialistas, “não foi detectada nenhuma anomalia que chame a atenção para acionar qualquer tipo de emergência”.

A barragem Casa de Pedra é uma das maiores em área urbana do país. Em janeiro deste ano, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) informou que a estrutura possui um maciço com aproximadamente 76 metros de altura, com capacidade de acumular cerca de 50 milhões de m³ de rejeito.

Pela tarde, a vistoria foi nas barragens da Vale, em Ouro Preto: Forquilhas I, II, III e IV, e a barragem Grupo. Por já estarem em níveis 1, 2 e 3 de emergência, os técnicos da ANM não puderam entrar nas estruturas, mas analisaram os fatores de segurança por imagens feitas por drone e visitaram o centro de monitoramento geotécnico da empresa. Alguns piezômetros e a microssísmica receberam resposta ao sismo durante a noite dessa segunda-feira (25), mas já apresentam leitura de normalidade. 

"A exemplo das outras estruturas, as barragens Vigia e Auxiliar do Vigia também serão vistoriadas e nós já exigimos da CSN os relatórios para averiguar as condições dessas estruturas até o momento. A ANM determinou também que as duas empresas intensifiquem a inspeção e o monitoramento diário de todas as barragens envolvidas”, explicou chefe de segurança de barragens da ANM em Minas Gerais, Wagner Nascimento.

A CSN afirmou que o tremor não provocou danos à estrutura da Casa de Pedra e demais estruturas da empresa. Disse ainda que os técnicos seguem monitorando a situação no local. “A CSN Mineração informa que o tremor sentido em Congonhas na noite de hoje [segunda 25/11] não causou nenhuma anomalia na estrutura da barragem Casa de Pedra. Também não houve nenhum dano nas demais estruturas da unidade. Nossas equipes seguem monitorando a situação, além de estar em contato com as autoridades competentes para saber o que ocasionou o tremor”, diz a nota.

A Vale informou que não foi observada, até o momento, nenhuma anomalia nas estruturas geotécnicas que são monitoradas pelo Centro de Monitoramento Geotécnico.

Leia mais:
Justiça de Minas mantém bloqueio de R$ 3 milhões da mineradora CSN
Geofísico afirma que tremor em Congonhas não afeta construções nos padrões da engenharia
Justiça suspende liminar que obrigava mineradora a pagar aluguel de escolas em Congonhas
Vence prazo para mineradoras entregarem planos de desativação de barragens a montante